Skip to content

Desenvolvimento da Linguagem

Desde as primeiras semanas de vida, que os bebés nascem com muitos “truques” para comunicar, dado ser algo inato ao ser humano. Desde os movimentos dos lábios, à agitação de todo o seu corpo, não é possível ignorar a sua capacidade de
comunicação.

Fazem-no, porque estão “programados” para aprender a linguagem e responder às vozes humanas. Desde a nascença que o bebé necessita e quer aprender a linguagem. Primeiro, surge aquilo que denominamos de período pré-linguístico, em que o bebé comunica através de produções sonoras como, por exemplo, o choro, o riso, o palreio e a lalação. Nesta fase, devemos também salientar a sua reacção aos sons, se este identifica a fonte sonora direccionando o seu olhar para ela.

 

A descoberta da comunicação

O choro é a forma mais eficaz de comunicação que o bebé dispõe contudo, por volta dos 2 meses, começa a emitir outros sons vocálicos que conciliados com os sorrisos e as gargalhadas formam o palreio. Quando o bebé palra, os adultos respondem com elogios ou frases carinhosas, criando um processo bidireccional, de estímulo-resposta
que se assemelha à conversação. Os bebés aprendem regras básicas da linguagem muito antes de serem capazes de falar.

A partir dos 7 meses, a sua capacidade de compreensão encontra-se num estado de evolução, que desperta a sua atenção para os sons das conversas à sua volta, sentindo interesse pelas conversas dos adultos. Também, já consegue reconhecer o seu nome e toma atenção quando falar directamente com ele. No seguimento desta etapa, surge a lalação que consiste na repetição de sílabas, por exemplo, os deliciosos “gu-gu”/“da-da” que encantam os mais velhos, podendo manter-se até aos 9/10 meses, e também a fase de “imitação”, em que os bebés copiam não só os
gestos, mas também os sons.

Por volta dos 10 a 11 meses, existe uma nova evolução (pode acontecer mais tarde), o bebé começa a juntar os vários sons, de forma a que pareçam palavras e frases: “ohh – ahh – mama”. Nesta fase, o desenvolvimento da linguagem dá um “salto”, por consequência dos estímulos que os bebés recebem para produzir “fala” como a dos seus cuidadores.

 

As primeiras palavras

Pouco depois dos 12 meses, surge a primeira palavra mas lembre-se: cada criança tem o seu ritmo de desenvolvimento! Geralmente são monossílabos ou repetições de silabas, por exemplo, “ó-ó” para cama/dormir ou “mã” para mãe, correspondendo sempre a pessoas ou objectos significativos para o bebé. No entanto, uma vez dita a primeira palavra, verá como o seu vocabulário se multiplica rapidamente, à medida que começa a experimentar novas palavras e a juntar novos sons. No princípio, as palavras novas chegam a conta-gotas (um a dois meses), mas depressa começará a ouvir novas palavras com um intervalo de poucos dias.

Aos 18 meses, o vocabulário do bebé pode incluir entre quarenta a cinquenta palavras, ou até mais, conseguindo compreender cerca de duzentas palavras. Por esta altura, já é capaz de compreender frases e ordens simples, iniciando a produção de holófrases (p.e.: diz “ua” para transmitir a ideia de “quero ir á rua”) e é capaz de nomear objectos familiares. Por volta dos 2 anos, usará cerca de duzentas a trezentas palavras, em que 50% dos sons são claros e inteligíveis, e compreenderá cerca de mil palavras. Este desenvolvimento da linguagem da nascença até ao momento, permite ao bebé compreender ordens mais complexas, dizer o seu nome e construir frases com duas a três palavras.

 

“Complicar a fala”

Com os 3 anos, surgem capacidades gramaticais, como por exemplo, o uso de plurais e preposições, assim como a aplicação de questões no seu discurso (“idade dos porquês”). O vocabulário da criança é variado, permitindo-lhe compreender frases simples. Porém, na sua expressão as frases ainda são telegráficas respeitando a estrutura básica (Sujeito-Verbo-Objecto), por exemplo (“João quer leite”). É também nesta faixa etária, que surge a manipulação dos sons da língua através de jogos com rimas e de segmentação silábica, que será a base para a aquisição da capacidade de leitura, posteriormente.

Aos 4 anos a criança apresenta um discurso, gramaticalmente, mais próximo do dos adultos. Já é capaz de relatar acontecimentos passados ou histórias ouvidas, através de frases gramaticalmente completas. Ao nível da produção dos sons da sua língua
materna, a partir dos 5 anos a criança já deverá ser capaz de dominar a maioria dos sons, extinguindo-se as trocas e/ou omissões destes nas palavras.

Com o desenvolvimento cognitivo, a criança continuará a aumentar a complexidade e variabilidade do seu vocabulário, criando as bases necessárias para as competências que irá adquirir na escola. Daí a importância de um bom desenvolvimento da linguagem, para que a aprendizagem da leitura e escrita não sejam comprometidas, por lacunas a esse nível.

 

Pedir ajuda profissional

Como podemos então saber que o desenvolvimento da linguagem está a decorrer “normalmente”? Quando devemos consultar o Terapeuta da Fala? As idades até agora mencionadas, devem ser tidas como referências e não como algo rígido e estanque
para todas as crianças, cada caso é um caso. Em cada faixa etária existem pontos que poderão ser sinais de alerta para os cuidadores:

  • 6 meses: observe se a criança reage aos sons e mantém contacto visual, como forma de comunicação (olha para si quando requer a sua atenção);
  • 12 meses: deixou de produzir som, não reage ao seu nome e/ou aos sons familiares;
  • 18 meses: não produz palavras familiares, mostra sinais de regressão ou deixou de falar;
  • 2 anos: não compreende ordens simples, apresenta vocabulário reduzido (4 a 6 palavras) e tem um discurso pouco perceptível;
  • 3 anos: o discurso mantém-se pouco inteligível, usa poucos verbos e não aplica adjectivos/artigos, não utiliza plural e não forma frases simples (Beatriz anda carro).
  • 4 anos: usa frases curtas e mal construídas, não consegue narrar eventos simples e recentes e tem dificuldades em iniciar frases ou repetir sílabas/palavras.

 

Bibliografia:

Castro, S. & Gomes, I. (2000). Dificuldades de aprendizagem da língua materna. Lisboa, Universidade Aberta

Sim.Sim, I., Silva, A. & Nunes, C. (2008). Linguagem e Comunicação no Jardim-de-Infância. Lisboa, Ministério da educação.

Sim-Sim, I. (1998). Desenvolvimento da Linguagem. Lisboa, Universidade Aberta.

Sua Kay, E. (2011). No princípio era o verbo – Reflexão sobre o desenvolvimento da comunicação e linguagem. Revista ComunicAtiva, nº2/Junho-Setembro, pág. 9-10.